Extermínio 2

0

Ainda me lembro de quando fui assistir ao primeiro Extermínio, no já longínquo ano de 2003. Achava que era uma ficção científica sobre um cara que ficava sozinho no mundo, que era o que o trailer dava a entender. Então dá pra imaginar a minha surpresa quando zumbis começaram a pipocar na tela. Achei um filme deveras tremendão e já o vi mais um monte de vezes desde então.

Logo, natural que eu estivesse bem ansioso pela seqüência, Extermínio 2, que chega agora aos nossos cinemas. Bem, o filme é bom. Muito bom. Mas há alguns problemas graves que comentarei mais à frente pois, agora, como você já sabe, é hora da sinopse.

28 semanas após os eventos da primeira película (daí o título original), os zumbis que infestaram a Grã Bretanha morreram de fome e a infecção aparentemente foi contida. O exército estadunidense (sempre eles) intervém higienizando a cidade e cuidando da volta dos refugiados para uma área restrita de Londres, considerada segura. Mas aí um casal de irmãos tapados faz uma besteira das grandes e a infecção volta a fazer novos zumbis. E pronto, a partir desse momento é salve-se quem puder. Simples, não?

E, para ser bem sincero, Extermínio 2 começa muito tremendão. A ponto até de ameaçar superar o original. Mas, infelizmente, essa primeira impressão não se mantém. A primeira seqüência do filme é, de fato, excelente, e pareceu até que iria quebrar alguns clichês dos filmes de terror, o que me animou bastante. Mas depois dessa cena, tudo voltou à mais perfeita normalidade, o que é uma pena, pois se tivesse tido a coragem ameaçada no começo, teria sido um longa memorável, como Abismo do Medo, só para dar um exemplo.

Pois bem, após essa primeira seqüência alucinante, temos o desenvolvimento da história e aí os zumbis demoram um bom tempo para aparecerem novamente. Coisa de 30 minutos, mais ou menos. Honestamente, a mim isso não incomodou, mas o Corrales, que também estava presente na cabine, não gostou disso. E sei que mais gente também não vai curtir esse fato.

O que realmente me deixou mordido, e fez o filme perder todo um Alfredinho, foi a escolha dos protagonistas. Não os atores que os interpretam, eles estão bem, mas os personagens propriamente ditos. Lembra dos irmãos tapados? Pois é, são eles. Os responsáveis por uma grande burrice são o foco da história. E por causa disso, não consegui nenhuma identificação com eles. Pelo contrário. Desejei o filme inteiro que eles virassem petisco de morto-vivo.

Outro ponto fraco é a direção do estreante Juan Carlos Fresnadillo. Ele é mais um adepto das câmeras nervosas e edição picotada a 500 km/h. Em alguns momentos esse ritmo alucinante até funciona bem. Mas como ele faz isso praticamente o filme inteiro, acaba enchendo o saco. Fico imaginando como seria essa continuação se Danny Boyle (Cova Rasa, Trainspotting), o diretor do original, tivesse cuidado dela pessoalmente. Infelizmente, ele estava ocupado rodando Sunshine – Alerta Solar, e por isso só assina a produção-executiva deste. Uma pena, pois provavelmente, sob suas rédeas, o filme renderia mais.

Quanto aos atores, os únicos rostos conhecidos são os de Robert Carlyle (Trainspotting) que andava bem sumido, e Harold Perrineau (o Michael, de Lost), em papel coadjuvante, mas responsável por uma forma bem criativa de se trucidar zumbis. Vale um destaque também para a boa trilha sonora, que na verdade é a mesma do filme original, com guitarra, piano, baixo e bateria, criando um clima bem legal para os momentos cruciais da trama.

Extermínio 2 tinha tudo para ser um dos melhores filmes do ano, mas faltou um pouco de coragem, ou cojones, se preferir. Então, acabou ficando inferior ao original. Mas ainda assim é um bom programa. E como já é lema aqui no DELFOS, se tem zumbis, deve ser assistido. Não concorda?

Galeria

Galeria

Galeria

REVER GERAL
Nota
Artigo anteriorO futuro de Shrek pode estar no passado
Próximo artigoZodíaco
Alfredo é um dragão nerd que sonha em mostrar para todos que dragões vermelhos também podem ser gente boa. Tentou entrar no [[DELFOS]] como colunista, mas quando tinha um de seus textos rejeitados, soltava fogo no escritório inteiro, causando grandes prejuízos. Resolveu, então, aproveitar sua aparência fofinha para se tornar o mascote oficial do site.