O Brasil produz muitas comédias e muitos dramas, mas não costuma misturar muito os dois gêneros. Assim de cabeça, no momento não me vem à memória nenhuma boa dramédia nacional. Não estou dizendo que não exista, apenas que é algo que não é tão facilmente “lembrável”.

Antes Que Eu Me Esqueça vem para somar justamente a este gênero, e o faz com qualidade. Este é um daqueles casos tão costumeiros onde fui assistir sem dar absolutamente nada por ele e acabei gostando muito mais do que esperava.

A história é a seguinte: Polidoro (José de Abreu) é um octogenário juiz aposentado que está sofrendo de episódios de perda de memória e, ainda por cima, decide tornar-se sócio de uma boate de strip-tease.

Tais atitudes fazem sua filha questionar se ele está em seu juízo perfeito, e assim ela entra com uma ação para interditar o progenitor. Só que para dar seu veredicto, o juiz do caso quer ouvir também Paulo (Danton Mello), o outro filho que não via o pai há tempos. Por conta dessa distância no relacionamento, o meritíssimo força uma convivência entre pai e filho para que Paulo possa dar sua opinião bem embasada ao juiz a respeito da saúde mental do velho.

A partir daí, você já deve imaginar, a convivência entre os dois irá reaproximá-los, bem como reabrir velhas feridas. E o fato de que eles passarão grande parte desse tempo no novo negócio do pai, a boate de strip, gera situações tão engraçadas quanto inusitadas.

Delfos, Antes Que Eu Me Esqueça, Cartaz

O longa se escora numa história que, se não é exatamente uma novidade (a distância entre pais e filhos), o faz com bastante competência, escorando-se num bom roteiro, com uma gama de ótimos personagens, incluindo aí os coadjuvantes que muitas vezes roubam a cena, e boas atuações.

A comédia é simpática e várias piadas funcionam bem. E apesar do tema da boate de strip, não se trata de um filme cheio de piadas sexuais (embora elas estejam presentes), chulas ou de duplo sentido. O que, considerando o modus operandi do humor mainstream brasileiro, é algo louvável.

Quando as partes mais dramáticas assumem, elas conseguem realmente emocionar. Especialmente se você já passou por alguma experiência semelhante com um familiar idoso.

Antes Que Eu Me Esqueça é uma grata surpresa. Uma boa dramédia que foge do humor mais escrachado e gritado das nossas comédias para unir um senso de humor um pouco mais trabalhado com um lado dramático mais sensível. Se esta mistura te interessa, vale a assistida.