Eu não sei o porquê, mas logo que recebi o convite para a cabine, achei que Um Homem de Família era um suspense. Claro, depois que li a sinopse oficial, descobri que na realidade se tratava de um drama. Por que estou dizendo isso? Apenas para tirar a introdução da frente e poder passar para o segundo parágrafo!

Gerardo Mordomo é um headhunter totalmente dedicado ao trabalho. Tanto que, para atingir suas cotas, não se furta a fazer coisas moralmente erradas e a deixar sua família muitas vezes em segundo plano. Acontece que seu chefe (Willem Dafoe) está acenando com uma promoção e ele é o principal candidato, junto de outra colega de trabalho (Alison Brie) igualmente motivada.

Só que um drama familiar pesado vai entrar no caminho, fazendo com que ele tenha de rever suas prioridades e, quem sabe, no processo torná-lo uma pessoa melhor e mais próxima de seus entes queridos. Bem como manda o figurino desse tipo de história bastante manjada.

O filme não tem surpresas e apresenta todos os clichês do gênero. Também não se furta a utilizar do dramalhão bem lacrimoso sem vergonha alguma da sacarina. Bom, pelo menos ele é honesto no que se propõe a fazer e há quem goste desse tipo de história mais melosa. Particularmente, não é para mim.

Muito do filme se escora nos ombros do Gerard Butler. Embora seu personagem não seja lá flor que se cheire e esteja sempre dando aquela desculpa do “sou eu que boto dinheiro nessa casa” para ignorar a família, ele consegue construir um protagonista tão carismático que, tal qual sua esposa, o espectador também o perdoa por suas falhas.

E afinal, ele é o que move a trama, então era imperativo que seu personagem conseguisse se conectar com o espectador e causar empatia. Nesse departamento, a narrativa até que funciona bem.

Infelizmente, isso também é tudo de positivo que a película tem, e o resto, como já disse, é bastante manjado e genérico. Não é um filme ruim, em nenhum momento fiquei entediado, por exemplo. Mas também é algo que não vai deixar qualquer impressão assim que as luzes se acenderem.

Desta forma, Um Homem de Família se encaixa melhor na honrosa categoria dos filmes nada. Se não tiver nada melhor para assistir na TV, ele quebra um galho. Mas para a telona (e os preços salgados) do cinema, melhor mesmo partir para outra opção mais garantida.