Os 10 órfãos mais tremendões da cultura pop – Parte II

0

Estamos de volta com a nossa parte final dos órfãos mais tremendões da ficção. Chegou a hora de acabar com o suspense e revelar os cinco mais da nossa lista. Se você sentiu falta de alguém na nossa primeira parte, é hora de procurar o nome do seu personagem preferido nesta segunda parte e, se não encontrá-lo, se indignar nos comentários e fazer pipi na minha foto.

Escolher apenas dez nomes não foi tarefa fácil. Quando comecei a pensar para esta lista tinha apenas cinco em mente, e quando fui pesquisar, achei material suficiente para um top 30! Mas depois de submeter todos ao teste delfiano de tremendice, escolhemos os dez mais tremendões e, agora, você confere os cinco gloriosos vencedores.

5 – BRUCE WAYNE (BATMAN)

O homem-morcego não poderia estar de fora desta lista, afinal, ele só se tornou este cara esquisitão que veste uma cueca por cima da calça e sai com um pré-adolescente vestido com uma capa amarela para combater o crime graças à perda de seus pais.

A perda dos pais de Bruce fez com que ele não somente tivesse motivo de sobra para se revoltar e virar um maluco (você não pode dizer que o Batman é são, pode?) como o levou a se tornar uma verdadeira máquina contra o crime, com seu treinamento em várias artes marciais, super-inteligência e brinquedinhos de alta-tecnologia. Só não conseguiu uma colocação melhor porque é muito emo, e não superou até hoje a morte dos pais, ainda ficando tristinho e chorando em posição fetal quando falam no assunto.

Criado pelo seu mordomo, Alfred, Bruce Wayne foi escolhido para representar toda uma série de super-heróis que cresceram sem pai nem mãe. Parece que está na cartilha do herói que “pais não são permitidos”. O dia dos pais e das mães nos quadrinhos devem ser os eventos mais tristes do calendário.

Se tivesse pais: Não teria virado o Batman. Seria um riquinho mimado, futuro herdeiro da fortuna dos Wayne e seria criado para se tornar o próximo chefe das empresas. Teria um carro de luxo e atropelaria ciclistas por aí. Sua mãe lhe ensinaria que a cueca vem antes da calça e, provavelmente, não teria atração por garotos pré-adolescentes.

4 – LINK (ZELDA)

Representando os órfãos dos videogames, temos nada mais, nada menos do que o Zelda Link!

O hylian de chapéu e roupa verde preferido dos nintendistas foi escolhido para compor esta lista não somente por dar “uns pegas” na princesa Zelda, mas por ter provado em todas as suas encarnações seu alto nível de tremendice. Não é à toa que ele ganhou o título de The Hero of Time.

Link, além de tocar sua ocarina e vários outros instrumentos, já navegou pelo mundo, controlou o vento, fez chover, fez o dia virar noite, já voou nas costas de um pássaro gigante e ainda arranja tempo para salvar o mundo na sua agenda lotada.

Mesmo com toda essa tremendice, as pessoas ainda acham que ele é um elfo e que o nome dele é Zelda. Não é todo mundo que consegue o devido reconhecimento, não é mesmo? Mas aqui na lista delfiana ele ganha todos os louros e fica com nosso quarto lugar!

Se tivesse pais: Se preocuparia menos em salvar o mundo e se dedicaria à música. Afinal, ele já é um multi-instrumentista de mão cheia. Tocaria em alguma orquestra de Hyrule. Mas, como bom músico, não teria muito dinheiro, e nunca iria conquistar a princesa Zelda.

3 – LUKE E LEIA SKYWALKER (STAR WARS)

Eu não falei no texto anterior que a Disney adora um órfão? E os órfãos que eles não tinham, compraram. É claro que Luke e Leia Skywalker não poderiam ficar de fora desta lista.

Uma se tornou princesa e liderou a Aliança Rebelde contra o Império. O outro saiu de uma vidinha pacata e tranqüila com os tios em Tatooine para se tornar o último jedi. Ela desafiou o imperador Palpatine. Ele lutou de frente contra Darth Vader. Mas, não vamos esquecer o mais impressionante de tudo: ela se tornou uma musa nerd mesmo sendo baranga, graças ao seu biquíni dourado. E ele se tornou querido por todos mesmo tendo dado “uns pegas” na própria irmã.

Luke e Leia também mostraram um ótimo controle emocional, afinal de contas, não é todo dia que você descobre que o pai que você achou estar morto está vivo e é o Lord Sith supremo do império com problemas respiratórios e aspirações a Batman. Pior ainda é quando eles tentaram descobrir o que aconteceu com o pai e tiverem que ver aqueles filmes horríveis da nova trilogia. Por que, George Lucas? Por quê? Pior que ser filho do Darth Vader é saber que um dia existiu Jar Jar Binks.

Se tivesse pais: os dois saberiam que são irmãos, e não se pegariam. Leia receberia umas dicas de maquiagem e penteados de sua mãe gata Padmé Natalie Portman Amidala e Luke não teria sido treinado por um velho verde maluco, e sim pelo seu próprio pai.

2 – FRODO (O SENHOR DOS ANÉIS)

Frodo Baggins mostrou que apesar de ser apenas um hobbit do Bolsão tem pintudice suficiente para proteger seu anel (ui!). Ele caminhou a pé quilômetros e quilômetros, e descalço! Resistiu à força do anel, aguentou aranhas gigantes, orcs, o Gollum, terríveis e abomináveis perigos dos lugares mais perigosos da Terra-Média, e fez tudo isso resistindo às investidas amorosas de Sam. É um verdadeiro herói.

Frodo poderia ter negado o chamado à aventura.Ele poderia ter ficado na sua bela e espaçosa toca, vivendo sozinho (já que Bilbo estava de saída para sua última jornada), podendo fazer as festas mais tremendonas do Condado, fumando seu cachimbo e conquistando todas as baixinhas da região. Porém, abriu mão de tudo isso e partiu junto com o velho maluco que fala com mariposas e solta fogos. Coisas que só um órfão faria. É por esta coragem e falta de bom-senso que ele ganha nosso segundo lugar!

Se tivesse pais: Sua mãe não o deixaria sair para a aventura, porque é muito perigoso e “está com cara de que vai chover”.

1 – ÉDIPO (ÉDIPO REI)

Aqui está a prova: desde o início dos tempos os órfãos são ótimos heróis, principalmente em uma história trágica.

Édipo Rei é uma das histórias da chamada trilogia tebana, e foi escrito como uma peça de teatro na Grécia Antiga, pelo dramaturgo Sófocles. A peça, uma verdadeira tragédia grega, resistiu ao tempo e se tornou uma das obras mais importantes da época, além de mostrar como o destino pode ser implacável.

Se você não está convencido de que ele merecia nosso primeiro lugar, saca só a história dele: por uma profecia, de que mataria o pai e desposaria a mãe, Édipo foi abandonado para morrer ainda bebê. Aliás, seu nome, que quer dizer “pés inchados”, faz referência a ele ter sido abandonado com os pés perfurados. Mas ele foi encontrado por um pastor que passava e foi levado a outro reino, onde foi adotado pelos reis do lugar, que não podiam ter filhos.

Criado como príncipe, Édipo descobriu por um acaso que não era filho de seus pais. Portanto foi atrás do Oráculo de DELFOS para descobrir a verdade. Lá, o Alfredo falou sobre a profecia terrível que lhe aguardava, e resolveu fugir para longe de sua casa, tentando fazer com que o destino não se concretizasse. Mas foi exatamente em sua fuga que ele discutiu e matou um homem, que era o seu pai! Acabou chegando a Tebas, venceu o enigma da Esfinge e, como recompensa, casou com a rainha Jocasta, que ele não sabia que era a mamãe! Teve dois filhos com ela, até descobrir que era sua progenitora. Ao saber disso, ela se mata, e Édipo fura os próprios olhos. Agora você entende o significado de “tragédia grega”. E você achando que só Kratos tinha uma vida difícil.

A história de Édipo faz o Batman parecer uma menininha chorona, Link um elfo de nada (nintendistas me xingando em 3… 2…), Luke e Leia uma família feliz e o Frodo um baixinho mimado. O cara, além de tudo, tem um complexo com o seu nome, o famoso complexo de Édipo. Não é para qualquer um.

Se tivesse pais: A história de Édipo é exatamente sobre “como é impossível fugir do destino traçado pelos deuses”. Portanto, Édipo teria matado o pai e traçado a mãe do mesmo jeito. O cara não tem jeito.

E assim encerramos nosso top 10 dos órfãos mais tremendões da cultura pop. É claro que muitos órfãos ficaram de fora. Eles vão ter que conviver com isso, sem ter o colo da mamãe para chorar essa mágoa. Mas eles podem ainda ter a honra de serem citados por você nos comentários. Quais são os órfãos mais tremendões da ficção? Se você não comentar, eu vou contar tudo pra sua mãe.