Nos EUA segregados dos anos 1960, um ítalo-americano racista é contratado para ser motorista de um pianista negro durante uma turnê pelo sul do país. Aos poucos ele vai vendo todas as babaquices e injustiças que seu cliente sofre e vai mudando sua própria visão. E claro, uma amizade nasce entre os dois homens.

De maneira muito resumida, esta é a trama geral de Green Book: O Guia. Um longa totalmente centrado na relação entre os dois personagens principais, condutor e conduzido, tipo um Conduzindo Miss Daisy (1989) ao contrário. Afinal, aqui o chofer é o homem branco.

Delfos, Green Book, O Guia, CartazTrata-se de uma dramédia baseada em fatos reais e que também se encaixa no filão dos filmes de road trips. Outra coisa interessante de notar é quem está na direção. Você deve se lembrar melhor do nome de Peter Farrelly ao lado de seu irmão Bobby Farrelly.

Pois é, este é o cara que, ao lado do maninho, assinou comédias bobocas (e nem por isso menos divertidas) e beirando o mau-gosto como Quem Vai Ficar com Mary? (1998), Debi & Lóide: Dois Idiotas em Apuros (1994), Eu, Eu Mesmo e Irene (2000), dentre outros.

E ele se sai bem nessa reinvenção como comandante de um Oscarizável. O filme consegue dosar bem drama e humor, arrancando gargalhadas em diversos momentos, principalmente pela relação entre os dois personagens principais, como já disse antes, e pela ótima química entre Viggo Mortensen e Mahershala Ali.

ISSO É LITTLE RICHARD?

Um é o sujeito mais simplão, quase bronco, mas que não leva desaforo pra casa, e resolve tudo quase num jeitinho brasileiro. O outro é um intelectual cheio de modos finos e de demônios internos que parece sempre deslocado. Ainda assim, a convivência na estrada vai aproximá-los e daí nascerá uma amizade.

No mais, ele não tem grandes novidades. É a típica história de amizade já manjada, com a jornada de crescimento pessoal de um deles ao testemunhar as dificuldades vividas pelo outro.

Delfos, Green Book, O Guia

Reconstituição de época, figurinos, fotografia, é tudo caprichado. Mas o forte é mesmo as atuações e os diálogos entre os personagens. É o que mais entretém e o que mais fica na memória. Ainda que ache que mesmo isso não vai durar tanto tempo assim na cachola.

Green Book: O Guia é um bom filme, mas longe de ser memorável. Diverte bem enquanto se assiste, mas provavelmente você já não se lembrará dele na temporada de premiações seguinte. Ainda assim, graças às boas atuações e interações entre os protagonistas, vale uma assistida.