Após uma breve pausa para uma aventura solo dos Minions, Gru está de volta com sua franquia principal em Meu Malvado Favorito 3, trazendo até confusões em dose dupla com a presença de um irmão gêmeo até então desconhecido, o que vai lhe causar novas trapalhadas.

Depois de virar a casaca, Gru não é mais um supervilão, tendo passado para o lado dos mocinhos e ajudando a capturar outros malfeitores. Após fracassar numa missão ele é despedido, mas não fica muito tempo na pior. Afinal, ele descobre a existência de Dru, seu irmão gêmeo separado na infância.

Acontece que Dru quer seguir a vocação da família para a vilania e pede a ajuda de Gru para ajudá-lo a cometer algum ato vilanesco. Gru, por sua vez, é agora um homem de família e seu coração já não está mais voltado para maldades. Na verdade, tudo que ele quer é concluir a missão que lhe custou o emprego, e vai usar os consideráveis recursos do irmão para atingir este objetivo.

A animação é bonitinha e tem seus vários momentos divertidos e outros de pura fofura. No entanto, é preciso dizer que ela poderia dar muito mais do que acaba entregando. Ela abre diversos caminhos com muito potencial para fazer coisas legais, mas no máximo arranha a superfície.

A relação entre os irmãos poderia ser melhor explorada em diversos aspectos. Afinal, Dru é mais rico e tem cabelo, o que deixa o protagonista um tanto invejoso. E como ele mora em outro país, poderiam até fazer um lance meio Doutor Destino e Latvéria ao invés de retratar Dru como um inapto aspirante a vilão.

A mulher e as filhas de Gru também têm seus próprios arcos, embora novamente eles nunca sejam plenamente desenvolvidos, sendo resolvidos de maneira corrida e com grande facilidade. Há boas piadas e vários momentos fofos neles, mas fica a sensação de que poderiam render ainda mais.

E tem os minions. Após estrelarem seu próprio longa, aqui eles ficam totalmente relegados a segundo plano. O que é uma grande pena, visto que a subtrama deles estarem decepcionados com o Gru acomodado de agora, preferindo muito mais sua antiga versão malvada de outrora, renderia todo um filme só para explorar este enredo.

Parece que os roteiristas quiseram enfiar muita coisa na história e com isso acabaram queimando diversas possibilidades que renderiam futuras animações inteiras, deixando tudo subdesenvolvido, corrido e desperdiçado, com um excesso de personagens que prejudica demais o andamento da coisa toda.

Graças a esse excesso de tramas secundárias, até a história principal sofre desse complexo de “é legal demais para ser só isso”. Principalmente o vilão principal, com uma estética completamente anos 80 (sua arma é uma teclarra!), que merecia muito mais tempo de tela e é a principal fonte de piadas direcionadas aos adultos.

Tivesse trabalhado melhor o roteiro e conseguido acomodar melhor tantos personagens (ou mesmo limado o excesso deles) poderia render uma animação de nível superior. Não foi o que aconteceu, sendo apenas ok e bastante esquecível. Meu Malvado Favorito 3 rende um filminho legal, mas que no máximo é diversão passageira para entreter a molecada por uma hora e meia e nada mais.