DesbraVa – A Cidade Pulsa

0

DesbraVa é uma banda de Rock do ABC paulista e A Cidade Pulsa é o seu disco de estreia, lançado em 2014. Primeiramente, já quero deixar registrado que gostei bastante do nome do álbum. A Cidade Pulsa. Parece nome de filme cult sobre terremoto. Em segundo lugar, após algumas audições em paralelo às anotações em uma moleskine® do Batman, preciso ser honesto e avisar que o estilo do vocal não é algo que geralmente me agrada.

A Cidade Pulsa é um bom álbum voltado para os amantes do Rock Nacional. Precisei de uma conversa intensa comigo mesmo para esclarecer minha opinião acerca das linhas vocais. Como foi dito no parágrafo anterior “geralmente não me agrada”. Mas a verdade é que me agradou aqui. Ele se encaixa muito bem nas melodias da banda, considerando que as faixas se desenvolvem a partir de estilos musicais completamente diferentes; ponto para eles. Neste contexto, o vocal serve como uma espécie de carteira de identidade/espinha dorsal da banda.

A faixa de abertura, Trinta, me enganou. Já fui achando que era um álbum metálico virtuoso no estilo Malmsteen até o vocalista dar as caras. O refrão gruda na cabeça e, aos poucos, fica claro que a proposta da banda envolve um caldeirão de estilos: a exemplo do Ska escapista de Fantoches muito alinhado com aquele alagados, trenchtown, favela da maré dos Paralamas do Sucesso; chegando até ao reggae californiano do Sublime em Becca.

É interessante como a banda consegue atirar para todos os lados com muita classe. A competência técnica dos músicos envolvidos é a credencial para o resultado coerente, com um Pop/Rock acessível que lembra tempos de outrora quando o povão só queria saber de Raimundos, Charlie Brown Jr. e Planet Hemp. O ponto forte do álbum está nas linhas de baixo. A presença dos elementos de Ska e Reggae contribuem para o destaque ao instrumento no estilo de caras como o Flea (Red Hot Chili Peppers) e o Champignon (Charlie Brown Jr.). Destaque para a faixa Vazio Metal; composição que intercala essa pegada Ska com elementos que consagraram nomes como o Muse.

Apesar do vocal em contexto favorável, os momentos com firulas no estilo Jota Quest, como na canção Notícia Alguma Acalma, são desnecessárias. Se você gosta de Jota Quest, soará melhor aos seus ouvidos. Além disso, o álbum se torna um pouco cansativo com a grande quantidade de baladas como Entre o Céu e Você, Noite em Claro, Nada e Notas no Ar.

Gostei muito das faixas em que a banda demonstra uma certa ousadia, como em Última Carta, Humores Passageiros e Daquilo Que Eu Vou Perder. Fui cativado pela pegada Alter Bridge de A Última Carta e seu belo solo de guitarra. O baião em Daquilo Que Eu Vou Perder me trouxe a feliz recordação de recurso semelhante utilizado pelo Angra na canção Hunters and Prey.

A Cidade Pulsa é um material interessante e indicado para os ávidos por bandas novas de Roque Nacional. Se você curte bandas como Paralamas do Sucesso, Charlie Brown Jr e coisas modernosas na onda do Muse e do Alter Bridge, fique à vontade para desbravar este álbum (precisei fazer a piada, perdão).