Selma: Uma Luta Pela Igualdade

0

Apesar do que o nome do filme pode indicar, esta não é a cinebiografia da irmã da Marge Simpson. Selma: Uma Luta Pela Igualdade trata de um tema muito mais sério, a luta pelos direitos civis dos negros estadunidenses, liderada pelo Dr. Martin Luther King.

O longa foca em um período específico de três meses em 1965, quando King estava focado em conseguir direitos de voto para os negros, e enfrentava uma grande oposição por parte de praticamente todo mundo no governo. Ele se instala na cidade de Selma (explicando automaticamente o nome do filme), no Alabama, coração da região caipira racista do país, para fazer diversos atos não violentos de protesto.

Desses, o maior gesto seria uma marcha de Selma até outra cidade próxima, Montgomery. Mas os políticos locais e a truculenta polícia farão de tudo para proibir e depois coibir com o máximo de violência as manifestações. Mas, como você sabe, Martin Luther King tinha um sonho e não se deixaria deter pela ignorância e preconceito dos intolerantes da época.

Temos aqui mais um típico oscarizável, que se utiliza de um tema muito sério e uma importante figura histórica, coisa que os membros da academia adoram, e o usam num filme muito bem produzido tecnicamente, mas seguindo as velhas fórmulas de sempre, com pouca criatividade, a mesma estrutura narrativa desse tipo de longa e tirando suas emoções puramente da temática baseada em história real e não da técnica ou da construção do roteiro.

É a velha história de sempre: é só escolher um tema sensível e delicado que já é meio caminho andado para esse tipo de produção, nem precisando se esforçar muito nos outros aspectos, o que os deixa bastante pasteurizados, para não dizer completamente esquecíveis.

Este aqui, em particular, sofre com um problema de ritmo. Eu o achei incrivelmente longo (e olha que na realidade ele nem é tão grande assim) e deveras arrastado. Diversas vezes me peguei devaneando, pensando em qualquer coisa, da música tema dos Flintstones às contas a pagar, menos no que estava assistindo. Tivesse uma montagem um pouco mais dinâmica, eliminando algumas gorduras do roteiro, poderia ser bem melhor e prender mais a atenção.

Ainda assim, as cenas das manifestações, e da subsequente violência policial que se sucediam são bem orquestradas e são os melhores momentos da película, junto das boas atuações de todo o elenco, da fotografia e da cenografia caprichadas. Seria um filme nada com louvor, não fosse esse pequeno problema de ser deveras modorrento por toda sua duração.

Assim, Selma: Uma Luta Pela Igualdade acaba mesmo apenas como um trabalho regular e nada mais. Particularmente, esses dramas que miram unicamente em prêmios estão longe de figurar entre meus gêneros favoritos, então por princípio já acho difícil de recomendar isso para qualquer um. No entanto, para quem quiser conhecer um momento bem específico da história de Martin Luther King ou para quem gosta de oscarizáveis em geral, pode ser que valha uma assistida, mas aí é por sua conta e risco.