Top 5: Filmes Gore

0

Jogos Mortais 2 está entrando em cartaz e, se for como o primeiro, pode se preparar para cenas graficamente bem pesadas. Pois é, dentro do gênero terror (ou horror, se preferir), há uma subdivisão chamada de filmes gore. Embora não haja uma tradução apropriada para o português, esta pequena palavrinha quer dizer que se trata de filmes com extrema e explícita violência física. Tipo, membros decepados, tripas escorrendo e litros e mais litros de sangue jorrando. Muitas vezes, tudo isso é mostrado de uma maneira tão exagerada que se torna absurdo e cômico (neste caso, a denominação muda para splatter, mas não vamos nos ater à nomenclaturas).

Obviamente, estas pequenas pérolas de sadismo não são apreciadas por todos. E, como exemplo, cito nosso amigo Corrales que, apesar de gostar de um filme de terror, não é um grande fã de tripas à mostra. Geralmente, aqueles de estômago fraco fogem desses filmes como o diabo da cruz.

No entanto, se você ainda está lendo este texto, provavelmente é um grande admirador do estilo (assim como eu) ou ficou interessado em conhecê-lo. Por isso, aqui vai uma singela listinha à Alta Fidelidade (aquele livro do Nick Hornby) de 5 filmes bacanas onde só falta escorrer sangue pela tela de sua TV. Aqui, a ordem é decrescente, começando com o mais fraquinho e culminando no campeão. No fim, há ainda menções honrosas a filmes que quase entraram na lista e a outros que possuem elementos gore mas não são filmes de terror.

Os critérios utilizados, como em praticamente qualquer lista de 5 mais qualquer coisa, são pura e simplesmente os filmes que este que escreve conseguiu puxar de sua memória meio abalada e o gosto pessoal. Assim, se você discordar, é muito bem-vindo a partilhar sua própria lista conosco. A graça das listas é justamente cada um ter uma opinião diferente.

Então, preparado? Sigam-me aqueles que tiverem estômago de aço. Para os mais sensíveis, recomendo a leitura desse texto com um saquinho de vômito ao lado do computador. E nem se atrevam a abrir a nossa fofa galeria de fotos lá embaixo.

5 – A Volta dos Mortos-Vivos (The Return of the Living Dead – EUA – 1985)

Do que se trata: Filmes de zumbis detonam. Desde que George Romero rodou A Noite dos Mortos-Vivos em 1968, inventando o gênero, muitos tentaram copiá-lo e poucos conseguiram o mesmo sucesso. Dan O’Bannon, o roteirista de Alien – O 8º Passageiro, encontrou um outro jeito de seguir os passos do mestre Romero, o humor.

Alguns paspalhos de um armazém de suprimentos médicos liberam por acidente um gás no ar, que reanima os mortos em uma cidadezinha. Despertos, os zumbis partem numa busca incessante para matar sua fome com… sim, isso mesmo… Miolos! (por sinal, uma das palavras de ordem aqui na redação do DELFOS).

Este é o filme clássico onde os mortos-vivos andam por aí falando “miolos, miolos”, como um bando de retardados (mas isso apenas na dublagem em português. Em inglês eles falam “brains, brains” como um bando de retardados). Trata-se de uma divertida homenagem à, até a época, trilogia dos mortos de George Romero (agora uma quadrilogia, com o recente e tremendão Terra dos Mortos).

O que esperar: Muitos corpos em decomposição andando por aí, mordidas de arrancar pedaço e, óbvio, muitos miolos à mostra.

Nível de nojeira: Baixo. Como se trata de uma comédia de terror, é tudo tão exagerado que dá para assistir numa boa.

4 – Evil Dead II (idem – EUA – 1987) – Nota: Esta série também é conhecida aqui no Brasil como Uma Noite Alucinante

Do que se trata: Sam Raimi ficou famoso ao dirigir os filmes do Homem-Aranha, mas o que talvez os mais jovens não saibam é que ele já tinha, há tempos, a admiração dos fãs de filmes de horror por conta de sua série Evil Dead, do qual este segundo filme é, sem dúvida, o melhor e mais gore.

Num misto de refilmagem e reimaginação do primeiro filme de 1981, o incomparável Ash (Bruce Campbell) leva sua namorada para uma sinistra cabana na floresta. O que era para ser um fim de semana romântico vira pesadelo quando eles encontram um livro escrito com sangue e encadernado com carne humana e um gravador. Contrariando todas as regras que qualquer pessoa que já assistiu a filmes de terror sabe, eles ligam o gravador, que recita passagens do livro, conjurando espíritos demoníacos que possuem (literalmente) a namoradinha do rapaz e outros incautos que chegam ao local. Cabe a nosso protagonista tremendão limpar a bagunça, matando os possuídos e tentando sobreviver até o amanhecer.

O que esperar: Esquartejamentos, sangue jorrando da paredes, um olho que salta de seu devido lugar para dentro da boca de uma garota, culminando no momento máximo, quando Ash tem uma das brigas mais divertidas do cinema, contra sua própria mão possuída, que acaba decepada por uma serra elétrica. Yeah!

Nível de nojeira: Moderado. Este filme também tem muitos elementos de comédia, inclusive em estilo pastelão, mas o nível de horror não é para qualquer um.

3 – Hellraiser – Renascido do Inferno (Hellraiser – Reino Unido – 1987)

Do que se trata: Stephen King é conhecido como o mestre da literatura de horror, mas esse título deveria pertencer ao inglês Clive Barker. Seus livros são bem mais explícitos e insanos do que os de King. Assim, quando Clive Barker resolveu assumir a direção da adaptação de seu livro The Hellbound Heart para o cinema, qualquer um que já lera uma de suas obras já sabia muito bem o que esperar. Isso aí, Hellraiser tem a cara de papai Barker impressa em cada fotograma (obviamente isto é apenas uma figura de linguagem. Você não vai ver um filme que só mostra o rosto de Clive Barker).

Frank Cotton brinca com um quebra-cabeça místico, a Configuração dos Lamentos (que mais parece um cubo mágico) e, ao resolver o enigma, abre as portas do inferno, sendo tragado para lá por demônios de visual sadomasoquista, os Cenobitas (dos quais Pinhead é o mais conhecido, virando até garoto-propaganda da série).

Algum tempo depois, o irmão do infeliz, sua mulher Julia (que teve um caso com Frank) e sua filha, mudam-se para a casa onde ele foi visto pela última vez e, ao derramar um pouco de sangue no chão do sótão, traz o tio Frank de volta. Só que ele está sem corpo. A solução é arranjar alguns sacrifícios para que ele possa voltar a ficar inteiro. Quem vai cuidar disso é Julia, a esposa infiel do irmão de Frank. Ah, mas os Cenobitas não ficam nada contentes com a escapadela do moço para o mundo dos vivos e, quando sua sobrinha decifra a Configuração dos Lamentos, encontram a oportunidade ideal para tentar trazer o fujão de volta.

O que esperar: Um sujeito sem pele que fica nesse estado quase o filme inteiro, uma maluca que beija o tal sujeito todo gosmento, muito sangue, Cenobitas (que são definidos por Clive Barker como “sadomasoquistas do inferno”) e um despedaçamento humano através de ganchos (essa só vendo pra crer).

Nível de nojeira: Alto. O filme requer estômago forte para seu alto nível de violência. Alunos de medicina, acostumados a aulas de anatomia, não vão encontrar problemas.

2 – O Enigma de Outro Mundo (The Thing – EUA – 1982)

Do que se trata: Pra começo de conversa, de um filme de John “Halloween” Carpenter, um dos diretores mais legais dos EUA. Trata-se também de uma refilmagem de um filme de 1951.

Membros de uma base de pesquisa científica no Pólo Sul encontram uma nave enterrada no gelo. Uma criatura alienígena do tipo parasita vai possuindo os pesquisadores um por um, o que só aumenta o terror e a paranóia, já que é impossível saber quem está infectado. Cabe a Kurt Russel (parceiro habitual dos filmes de Carpenter) a tarefa de liderar o grupo e exterminar a criatura e os possuídos. Uma curiosidade: vinte anos depois de seu lançamento, O Enigma de Outro Mundo recebeu uma versão game para PC, PS2 e Xbox, intitulada criativamente de The Thing.

O que esperar: Este filme está nesta lista não tanto pela quantidade de sangue e tripas apresentadas (em proporções generosas), e mais pelos efeitos especiais absolutamente nojentos e perfeitos até hoje. Quando a criatura se revela, é impossível não sentir um embrulho no estômago.

Nível de nojeira: Bem alto. Recomendo assistir a esse filme de estômago vazio.

1 – Fome Animal (Braindead/Dead Alive – Nova Zelândia – 1992)

Do que se trata: Senhores, temos um campeão! Se você acha que o ponto alto da carreira de Peter Jackson é a trilogia O Senhor dos Anéis é porque ainda não conhece esta obra que está na minha lista dos melhores filmes de todos os tempos.

Na Nova Zelândia dos anos 50, a mãe dominadora do protagonista Lionel é mordida por um macaco-rato da Sumatra (!) e vira zumbi. Ao tentar esconder a situação de sua pretendente Paquita (sim, esse é o nome da coitada) e de seu tio, ele só piora a situação, que logo foge ao controle. Preciso dizer que, em breve, a cidade estará tomada por mortos-vivos?

O que esperar: Prepare-se para o maior banho de sangue que você possivelmente verá em celulóide. Desmembramentos, empalamentos, cabeças e caixas torácicas arrancadas, um intestino zumbi (acredite!) e uma casa cheia de mortos-vivos dizimada com um cortador de grama não dão nem 10% da idéia do que você encontrará nesse festival de tripas.

Nível de nojeira: Incomparável. O campeão absoluto só deve ser assistido por admiradores do gênero, de estômago completamente vazio, e depois de uma longa preparação espiritual. Depois não diga que eu não avisei!

Menções honrosas – Estes quase chegaram lá!

+ A Hora do Pesadelo (A Nightmare on Elm Street – EUA – 1984)

Do que se trata: Ora, mas que pergunta! Trata-se do tremendão Freddy Krueger dilacerando um bando de adolescentes em seus sonhos para vingar-se dos pais deles que o queimaram vivo.

Um clássico do cinema de horror, perpetrado por Wes Craven, que gerou uma das figuras mais cativantes do cinema, um carinha queimado chamado Freddy…

O que esperar: Na verdade, as mortes demoram a acontecer, mas quando acontecem… Temos um sujeito tragado para dentro de sua cama e devolvido como litros de sangue e uma garota retalhada pela luvinha de Freddy.

Nível de nojeira: Moderado. O filme mescla bem momentos de atmosfera sombria com momentos mais gráficos.

Por que não entrou na lista: Porque apesar das cenas sangrentas, se encaixa melhor na categoria slasher – adolescentes perseguidos por assassinos armados de objetos afiados.

+ Scanners – Sua Mente Pode Destruir (Scanners – Canadá – 1981)

Do que se trata: De um filme do canadense David Cronenberg, especialista em nojeiras cinematográficas, como A Mosca e eXistenZ, logo, motivo mais que suficiente para ganhar essa menção honrosa.

Os scanners são um grupo de pessoas dotadas de incríveis habilidades psíquicas. Isso mesmo, telepatas. Eles estão unidos para tentar dominar o mundo. Porém, um cientista consegue recrutar um deles para o lado dos humanos normais e o usa para tentar aniquilar o chefe do movimento scanner.

O que esperar: Este filme só está aqui por causa de uma cena. O malvadão do filme explode a cabeça de outro scanner apenas com o poder da mente. Numa época em que efeitos de computação ainda não existiam, a cena, feita de modo antigo (é um boneco), é ainda bem forte.

Nível de nojeira: Baixo. Tirando essa cena, o resto do filme pode ser assistido numa boa.

Por que não entrou na lista: Porque não é um filme de terror. Aliás, os filmes de Cronenberg, apesar dos elementos nojentos e de terem diversas características do gênero, não são exatamente filmes de horror.

+ Irreversível (Irréversible – França – 2002)

Do que se trata: De um filme francês que, à época de seu lançamento, causou muita polêmica por conter duas cenas extremamente pesadas, que fizeram muita gente sair do cinema na metade da película.

A personagem de Monica Bellucci é estuprada por um vagabundo qualquer, na cena pesada número 2. Trata-se de uma seqüência brutal, mostrada em 10 minutos e sem cortes. Seu amigo e seu ex-marido partem em busca de vingança. A cena pesada número 1, você descobre abaixo.

O que esperar: Como o filme é contado de trás pra frente, uma das primeiras cenas é justamente a da vingança. Ao encontrarem o sujeito, eles partem para cima. Quando o meliante parece estar ganhando, um dos justiceiros lhe acerta com um extintor de incêndio na cabeça. O malfeitor cai, mas o vingativo amigo de Monica Bellucci continua batendo até que o rosto do cara começa a se desmontar em primeiro plano.

Nível de nojeira: Alto. Só essa cena é gore, o resto do filme é normal e uma droga, por sinal. Mas é uma das cenas mais pesadas que eu já vi na vida, do tipo que dá pesadelos. Assista ao filme preparado para ficar chocado.

Por que não entrou na lista: Porque além de não ser um filme de terror, o resto da película, como disse algumas linhas acima, é ruim, mas muito ruim.

Bom, é isso aí. Espero que esta lista não o tenha deixado muito nauseado. Para aqueles que não conhecem os filmes citados e se interessaram, a boa notícia é que a maioria deles foi lançada por aqui em DVD e todos eles podem ser encontrados no já jurássico formato VHS. Todas essas obras são relativamente fáceis de encontrar em locadoras de grande porte, e vira e mexe são reprisados nas madrugadas dos canais abertos de TV, portanto corra atrás. Agora peço licença para ficar por aqui, pois acho que vou ter que ir à latrina mais próxima devolver o meu almoço. E, se eu fosse um personagem de filme gore, possivelmente o jantaria depois.

Galeria

Galeria

Artigo anteriorCão de Briga
Próximo artigoJogos Mortais 2
Alfredo é um dragão nerd que sonha em mostrar para todos que dragões vermelhos também podem ser gente boa. Tentou entrar no [[DELFOS]] como colunista, mas quando tinha um de seus textos rejeitados, soltava fogo no escritório inteiro, causando grandes prejuízos. Resolveu, então, aproveitar sua aparência fofinha para se tornar o mascote oficial do site.