Os gringos têm uma relação bem curiosa com a cultura estrangeira. Tenho a sensação de que o mundo inteiro pensa que todo dia é Dia de Los Muertos no México, de tanto que a estética desta data é utilizada na cultura pop. Viva – A Vida É Uma Festa é mais um representante desta longa tradição, que já passou por videogames (três exemplos de sopetão: Grim FandangoGuacamelee!LittleBigPlanet), cinema, e até pelo heavy metal.

Seria como se os gringos resumissem o Brasil ao Carnaval. Hum…

Contudo, não tem como negar. A estética e a filosofia por trás do feriado mexicano são muito bonitinhos e se encaixam perfeitamente em várias interpretações pop. Afinal de contas, não cabe à cultura pop interpretar e reinterpretar os mesmos arquétipos culturais?

CADÊ O CURTA?

Ao contrário do que acontece em todos os lançamentos da Pixar, Viva – A Vida É Uma Festa não abre com um curta. Ou pelo menos isso não aconteceu na sessão de imprensa de São Paulo.

Isso significa que vamos direto ao prato principal, então também é o que faremos nesta resenha. O filme conta a história de Miguel, um raparigo mexicano cuja família é a única do país que odeia música. Daí adivinha só: ele sonha em ser músico. Twist!

Coco, A Vida É Uma Festa, Delfos

Isso causa conflitos em sua família e Miguel eventualmente cai na dimensão dos Mortos. O problema é que se ele não voltar para o mundo dos vivos até o amanhecer, vai ficar preso por ali, rodeado por um monte de esqueletos simpáticos. Pois é, A Vida É Uma Festa é quase um De Volta Para o Futuro na cultura mexicana.

A história é bastante batida, e segue tintim por tintim tudo que você imagina que vai acontecer. Inclusive, repete detalhes que a própria Pixar já usou mais de uma vez em seus filmes. Isso fez com que o desenho demorasse bastante para me animar.

MAS…

Mas ele conseguiu. Já falei sobre quão bonitinha é a estética do Dia de Los Muertos e isso, nas talentosas mãos da Pixar, provavelmente os maiores criadores de fofura do mundo contemporâneo, faz tudo brilhar. Sem exagero, talvez tenhamos aqui o lançamento do estúdio mais bonito e mais colorido. É o tipo de obra que enche os olhos e merece ser visto na maior tela que você conseguir achar.

Coco, A Vida É Uma Festa, Delfos
Aproveito para dedicar este texto com carinho às minhas vovós, que já se foram, mas nunca serão esquecidas.

Além disso, a Pixar pode não ser lá muito criativa, mas eles são mestres de narrativa. Some isso à forma e à importância que os mexicanos dão para lembrar seus entes queridos que partiram, e temos um filme realmente tocante. A primeira vez que Miguel encontra seus familiares mortos, por exemplo, é emocionante. Mas quero ver o mais macho dos marmanjos aguentar não chorar no final, que é exatamente o que você espera, mas é feito de forma tão bonita que, admito, a Pixar me fez chorar pela terceira vez (as duas anteriores foram Up – Altas Aventuras e Toy Story 3).

Se você está com a sensação de que este é um filme mais triste e sentimental do que o que costuma vir do estúdio… bem, você está certo. Apesar de haver algumas piadas, eu classificaria a história como um drama, e um que emociona bastante.

Apesar de achar que o Dia de Los Muertos é usado demais na cultura pop, eu normalmente gosto bastante das coisas inspiradas por ele. A gente aqui no Brasil não encara os antepassados perdidos com a mesma alegria e reverência que os mexicanos. A gente só tem a saudade, mas a parte triste da saudade, quando a realmente deveria focar nos bons momentos que passamos com essas pessoas. Afinal, se alguém foi importante para nós, é porque sua presença deixou nossas vidas mais felizes. Pausa para um cachorrinho fofo.

Coco, A Vida É Uma Festa, Delfos

VIVA – A VIDA É UMA FESTA

Não compare Viva – A Vida É Uma Festa com as obras mais geniais da Pixar, como Wall-E. Aqui o gênio não está na criatividade, mas em conseguir emocionar a ponto de colocar um caroço na garganta de qualquer um que já perdeu pessoas queridas. A história é bem básica e previsível, mas a narrativa, como é tradicional do estúdio, é fantástica. Se você procura por algo que não surpreende, mas emociona, com certeza vai gostar muito da aventura mexicana da Pixar.

REVER GERAL
Nota:
PONTUAÇÃO GERAL

Vire assinante do Delfos!

Temos planos a partir de R$1,00 mensal e você pode ganhar um monte de coisa legal. Mais importante, você ajuda a gente a tornar o DELFOS cada vez maior e melhor.


Clique aqui e acesso a nossa ágina no Padrim


Se você gosta do nosso conteúdo, também pode ajudar sem colocar a mão no bolso compartilhando este post nas suas redes sociais através dos botões abaixo.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorPharaonic reinterpreta a fórmula de Dark Souls
Próximo artigoGuardians of the Galaxy mostra como a Telltale se dá bem em comédias
Carlos Eduardo Corrales
Editor-chefe e editor de games. Fundou o DELFOS em 2004 e habita mais frequentemente as seções de cinema, games e música. Trabalha com a palavra escrita e com fotografia. Já teve seus artigos publicados em veículos como o Kotaku Brasil e a Mundo Estranho Games. Formado em jornalismo (PUC-SP) e publicidade (ESPM).