Assine a feed desta seção!
Assine os comentários do site
Siga o Delfos no Twitter!

Plataformas: PS4 VR e PC
Versão analisada: PS4
Desenvolvedora: Ubisoft Red Storm
Editora: Ubisoft
Ano: 30 de maio de 2017
Gênero: Estratégia
Nota:



Star Trek: Bridge Crew coloca o jogador no comando da Enterprise

Publicado em 13/6/2017 às 12:00


Quase todo nerd já sonhou em brandir um sabre de luz. Ou vai dizer que você nunca colocou uma camisinha luminosa e falou “uón" enquanto rebolava? Curiosamente, a distinta concorrência, o Star Trek, não desperta tantas fantasias quanto a obra máxima do George Lucas. No entanto, se você é um dos diferentões que gosta mais das aventuras de Kirk e companhia, a Ubisoft lançou Star Trek: Bridge Crew para realizar suas mais molhadas fantasias.

Bridge Crew é surpreendentemente diferente do que eu esperava. Não temos aqui uma campanha elaborada ou algo do tipo. Trata-se de um jogo cooperativo online, onde você e três camaradas assumem funções no comando de uma nave no universo de Star Trek. As missões vão envolver análises, resgates, tiros e tudo mais que você pode esperar, e um time azeitado é essencial para o sucesso.

Pois é, meu amigo, o que temos aqui é um jogo totalmente social, daqueles que não faz muito sentido jogar sozinho e que fica bem melhor com comunicação constante. Uma coisa que achei divertida é que as pessoas que estão jogando realmente entram no clima, usando expressões militares como roger e copy that. É comum até se referirem ao capitão como sir, o que me lembrou de quando eu brincava de Liga da Justiça com meus amiguinhos da faculdade.

DELFIANO NO COMANDO

Vou admitir, eu não estava nem um pouco animado para testar o jogo. Não sou exatamente um cara social e dificilmente tenho vontade de jogar online. O tutorial, então, não fez nada para me animar, pois parecia que o jogo era altamente complicado e é longo demais. De fato, ele não é simples, mas após jogar uma partida em cada posição, você já fica com uma boa ideia de quem faz o quê, e depois disso pode até se arriscar a ser capitão.

Além do capitão, que basicamente dá ordens e orienta os companheiros no que fazer, você pode assumir o papel de navegador, tático ou engenheiro, e todos são bem diferentes. O que mais gostei é o tático, que é o responsável por analisar naves e objetos, além de ativar as armas e controlar os escudos.

O navegador também é bacana, pois tem o controle direto da nave e fica com a responsabilidade de evitar obstáculos e escapar das situações mais cabeludas. Já o engenheiro eu achei um tanto entediante. Basicamente, ele repara os danos nos equipamentos e equilibra o quanto de energia vai para cada sistema de acordo com as necessidades. Acontece que, quando não está rolando combate, basicamente a energia fica para o motor e não há nada a ser reparado. É a única opção que realmente não parece ter sido muito planejada, pois se os outros sempre têm coisas para fazer, o engenheiro fica basicamente esperando algo dar errado.

Há uma campanha com seis missões, que podem ser feitas sozinho (mas sério, por que você faria isso?) ou em coop, e também missões dinâmicas, que são diferentes cada vez que você joga. Eu normalmente critico sem dó o uso de fases procedurais, mas este é um dos raros casos que faz sentido. Afinal, este é um daqueles jogos praticamente sem fim, que você joga para se divertir e vai fatalmente repetir as fases muitas vezes, então elas serem aleatórias é uma boa opção. Para os iniciados na lore de Star Trek, rola até a famosa simulação da Kobayashi Maru no início da campanha.

REALIDADE VIRTUAL

O jogo pode ser controlado pelo Dualshock tradicional, mas é claro que fica bem mais legal com dois PS Moves. Cada controle representa uma de suas mãos e seus movimentos são representados no jogo. Seu personagem até mexe a boca quando você fala na vida real, o que é um toque bem legal.

O visual não é lá muito impressionante, mas estes pequenos toques acrescentam bastante à experiência. Em uma das minhas fases, um coleguinha apontou para o lado e disse que a nave estava pegando fogo e foi tudo muito natural. Eu ouvi a voz dele vindo de trás, olhei para ele, ele apontou, eu olhei para onde ele estava apontando e vi o fogo. Foi um daqueles momentos em que a realidade virtual realmente funcionou como deveria.

Infelizmente, também tem momentos em que as coisas não rolam tão bem. Eu costumo jogar videogame em uma confortável poltrona reclinável, cheia de almofadas, e o jogo exigia que eu colocasse a mão em lugares impossíveis. Precisei pegar uma cadeirinha simples na cozinha e apontar a câmera para o lado para conseguir jogar, mas depois que fiz isso as coisas melhoraram.

Um vilão comum em jogos em VR é o enjoo, e curiosamente, considerando que este é um jogo em que a câmera fica basicamente parada, ele chegou a me causar um leve desconforto, suficiente para eu parar de jogar depois de umas duas missões. É algo a se levar em consideração, mas até aí, este não é o tipo de jogo que você joga por muitas horas de uma vez.

Uma outra coisa legal é que você não é limitado a jogar com pessoas que estão na mesma plataforma que você. Na verdade boa parte dos meus novos amigos de exploração intergalática estavam jogando no Steam, enquanto eu estava no PS4, e isso é uma iniciativa muito bem-vinda da Ubisoft. Ah, e é necessário destacar que, se você pretende jogar com pessoas aleatórias online, você precisa falar inglês. Este é um jogo que exige comunicação constante, e como o PS VR não saiu no Brasil, a língua padrão do bagulho é mesmo o idioma de Shakespeare.

Este é um daqueles casos tipo Overwatch. Por ser um jogo basicamente online, definitivamente não é o tipo de coisa que eu compraria, mas me diverti muito mais com ele do que eu esperava. Se a ideia de comandar uma espaçonave de Jornada nas Estrelas com três amigos (ou genéricos) lhe apetece, este é o jogo dos seus sonhos.

Leia mais sobre Star Trek, Ubisoft, PS4, PS VR, VR, PC, Estratégia.






     
     
 

27/6/2017 - Arizona Sunshine leva o apocalipse zumbi para a VR
26/6/2017 - Oh…Sir!! The Insult Simulator rende umas boas gargalhadas
23/6/2017 - Nex Machina combina diversão, estilo e desafio
19/6/2017 - Perception deixa você com os poderes do Demolidor
13/6/2017 - Star Trek: Bridge Crew coloca o jogador no comando da Enterprise
12/6/2017 - Injustice 2 mistura luta com RPG
6/6/2017 - Randall é um jogo com o nome do seu protagonista
5/6/2017 - Sniper Ghost Warrior 3 se rende ao mundo aberto
2/6/2017 - Embers of Mirrim: luz, trevas e alavancas analógicas
29/5/2017 - Rime quer ser um novo Ico
26/5/2017 - Prey: quando a presa é você
23/5/2017 - Deliriant
23/5/2017 - 7 motivos para jogar Skylar & Plux: Adventure On Clover Island
22/5/2017 - Shadow Warrior 2 virou um RPG!
19/5/2017 - Outlast 2 é um retrocesso
16/5/2017 - The Surge é uma cópia de Dark Souls sem cuidado com o design
9/5/2017 - Guardians of the Galaxy da Telltale segue um caminho surpreendente
2/5/2017 - Full Throttle Remastered
1/5/2017 - Little Nightmares
21/4/2017 - Blackwood Crossing
1234567... 20


· Busca Avançada

Login
Senha
Lembrar de mim:
Ainda não é cadastrado?
Então clica aqui!









Copyright © Delfos 2004 - .