Assine a feed desta seção!
Assine os comentários do site
Siga o Delfos no Twitter!

Artista: Eduardo Lira
Título: The First Concept Project
Ano: 2016
Número de Faixas: 10
Duração: 28 minutos
Gênero: Rock instrumental focado na guitarra
Gravadora: Voice Music / Alternative Music
Nota:



Eduardo Lira – The First Concept Project

Publicado em 28/4/2017 às 00:01


Não acho que falei isso por aqui antes, mas eu sou um grande admirador de música instrumental. Na verdade, eu sou um entusiasta da música em geral, e uma música sem vocais não é diferente de uma música sem piano ou sem qualquer outro instrumento. A voz, afinal, nada mais é do que um dos muitos instrumentos que podem compor uma canção.

The First Concept Project, do guitarrista brasileiro Eduardo Lira, é um típico CD de guitar hero. E embora eu saiba que isso gera pesadelos na mente do Cyrino, é algo que muito me agrada. Aliás, digo mais, o que temos aqui parece um híbrido entre músicas que poderiam estar em um álbum do Steve Vai e outras que não ficariam deslocadas na trilha do F-Zero, do Nintendo 64.

Ao contrário do costumeiro em CDs de guitarrista, as músicas são todas bem curtinhas, a maioria ficando abaixo dos três minutos e apenas uma chegando na casa dos quatro. Isso deixa o álbum um tanto curto demais, especialmente porque ele é muito legal.

Após a intro The Edge Part 1, temos a primeira música em si, chamada de The Edge Part 2, e ela mostra bem o que vem por aí. Guitarras empolgantes, cheias de melodia, combinadas com solos belíssimos. Música perfeita para ouvir durante o treino, na minha opinião.

Tem duas músicas que contam com participação de baixistas famosos brasileiros. No caso, Andria Busic e Felipe Andreoli participam de Sunrise e Catharsis, respectivamente. Cá entre nós, não faz muita diferença. Embora obviamente a guitarra não seja o único instrumento do disco, ela é claramente o foco, todo o resto é apenas acompanhamento. Sunrise realmente parece uma faixa extraída do já citado F-Zero (e é muito legal), enquanto Catharsis, em especial, se tornou para mim a música mais fraquinha do álbum, o que nada tem a ver com a participação de Andreoli, eu simplesmente gostei mais das outras.

A seguinte, por exemplo, se chama Enjoyment. Nome fofo para uma música fofa. Eu tenho um fraco por baladinhas instrumentais levadas por melodias guitarreiras e esta é uma descrição excelente para Enjoyment. Ao ouvi-la, eu imagino crianças brincando em uma pracinha e se divertindo, o que pode ou não ser influenciado pelos efeitos sonoros de crianças sorrindo que realmente estão na música. Esta é, sem dúvida, a que mais gostei.

Você pode ouvir o disco inteiro no vídeo abaixo. Se quiser curtir Enjoyment, ela começa aos 8:56.

Requiem For a Dream é outra que não me apeteceu muito. Ela me lembra aquelas músicas mais lentas e pesadas do Steve Vai, que nunca estiveram entre as minhas preferidas. Kaleidoscope, por outro lado, é daquelas músicas mais rápidas e cheias de notas, talvez a única mais focada em solos do que em melodias, e se dá bem no que se propõe.

Imaginarium é a outra baladinha e, como você já sabe do meu fraco por baladinhas guitarreiras, já deve imaginar que se tornou outra das minhas preferidas. Uma coisa que me chamou a atenção é que, embora ela seja bem melódica e sossegada, a batida conta com um pedal duplo furioso, o que poderia soar estranho, mas de alguma forma se encaixou bem. Ouça no vídeo acima, aos 18:02.

Intention Divine é mais uma que mostra as aparentes influências de videogame do nosso amigo Eduardo Lira. Esta me lembra bastante as trilhas sonoras dos Mega Man antigos e, como tal, é excelente, mesmo se você não tem uma memória afetiva dos jogos do Blue Bomber.

Raining Day é a décima e última faixa. É boa também, lembrando aquelas faixas lentas e com um climão místico que costumam ser as de número sete nos discos do Steve Vai. Poderia estar também em um disco do Rainbow. E se as comparações são com bandas boas, é claro que a música é boa também e um excelente encerramento para um disco excelente.

The First Concept Project é um tipo de álbum que não é muito comum no Brasil, de música instrumental focada na guitarra. Foi justamente por saber disso que eu escolhi falar sobre ele, e me dei bem, pois gostei muito do que ouvi.

Seu principal problema é sua curtíssima duração. Com apenas 28 minutos, você vai fatalmente querer ouvir mais. Claro, há um argumento em que você pode dizer que mais vale lançar algo de meia hora que seja bom por completo do que um disco de uma hora com metade dispensável.

Apesar de umas duas músicas que me agradaram menos, em geral a qualidade se mantém alta durante toda sua duração, mais do que compensando a audição por todos aqueles que, como eu, gostam tanto de música instrumental quanto de música cantada.

Leia mais sobre Eduardo Lira, Instrumental, Guitarra, MS Metal Records.




 

28/4/2017 - Eduardo Lira – The First Concept Project
25/4/2017 - Anita Latina é uma mistureba só
10/2/2017 - Lusferus - Desolation's Theme
10/1/2017 - Jorn Lande & Trond Holter – Dracula: Swing of Death
13/12/2016 - The Gentle Storm – The Diary
18/11/2016 - Maestrick - The Trick Side of Some Songs
5/8/2016 - Silver Mammoth – Mindlomania
1/8/2016 - Sunrunner – Heliodromus
7/7/2016 - Degola - Tormenta
4/7/2016 - DesbraVa – A Cidade Pulsa
13/6/2016 - Supersonic Brewer – 3rd Chapter: One More Binge
9/6/2016 - Edu Falaschi – Moonlight
6/6/2016 - Pagan Throne - Swords of Blood
3/6/2016 - Weezer – Weezer (White Album)
8/4/2016 - Machinaria - Sacred Revolutions / Profane Revelations
31/3/2016 - The Cross - Flames Through Priests
25/3/2016 - Tropa de Shock – Inside The Madness
11/2/2016 - Nympho – Not That Innocent
7/1/2016 - Ghost B.C. – Meliora
30/12/2015 - Opeth – Pale Communion
1234567... 17


· Busca Avançada

Login
Senha
Lembrar de mim:
Ainda não é cadastrado?
Então clica aqui!









Copyright © Delfos 2004 - .