Assine a feed desta seção!
Assine os comentários do site
Siga o Delfos no Twitter!

Plataformas: PS4 e PC
Versão analisada: PS4
Desenvolvedora: David OReilly
Ano: 21 de março de 2017 (PS4), 21 de abril de 2017 (PC)
Gênero: Thinking simulator


Everything

Publicado em 21/3/2017 às 13:20


Everything está saindo hoje para PS4. Apesar de seu site oficial ser chamado de Everything-Game e ele sair primeiro em uma máquina dedicada principalmente a jogos, ele não é um jogo.

O que temos aqui é uma experiência, interessante de um ponto de vista filosófico, mas não é especialmente lúdico, divertido e sequer tem objetivos claramente estabelecidos. Praticamente não há nem animação em seus personagens “jogáveis”.

Basicamente, como o nome entrega, você controla tudo. Seu primeiro personagem é aleatório – o meu foi um leão – mas você pode apertar o R2 para possuir algo maior, ou o L2 para algo menor. De leão, você passa a controlar formiguinhas, e daí você vai para árvores, planetas, galáxias e, quando menos espera, assumiu uma molécula de oxigênio. Você pode se unir a outros objetos do mesmo tipo para andar juntos pelos cenários e pode até dançar apertando triângulo, o que faz com que você se reproduza.

No círculo das ideias, lembra bastante aquela piada frequente no Guia do Mochileiro das Galáxias. Manja aquela história da tropa estelar que ia invadir o planeta e foi comida por um cachorrinho?

O negócio é tão não-jogo, que eu achei que a melhor forma de apresentá-lo para meus estimados delfonautas é com um vídeo de gameplay.

Tudo contém tudo, tudo é tudo. Você pode estar no controle de um sol e, ao escolher ir para algo maior, se tornar uma molécula e logo mais um caramujo. Esta parte filosófica é o que é mais legal em Everything. E ela não para por aí.

Enquanto você explora o universo, vai encontrar outras coisas com pensamentos, representados por um balãozinho que você enxerga de longe. Estes pensamentos costumam ser bem interessantes. Mais legal ainda são os audiologs, narrações filosóficas sobre o que é vida, o motivo dela e como tudo está conectado.

Isso tudo faz com que Everything não funcione bem como um jogo, mas sua profundidade é interessante e sem dúvida causa emoções. Se parece fora de lugar numa plataforma como o PS4, seria o tipo de coisa que se encaixaria bem em uma Estação Ciência ou uma universidade.

É o tipo de experiência muito boa para complementar uma aula ou para instigar pensamentos e ideias. Sem dúvida é algo para o qual eu vou voltar quando estiver em busca de inspiração. Inspiração, no entanto, não diversão.

É um lançamento que funcionaria bem caso tivesse sido disponibilizado de graça, mas não é o caso. Eu diria que vale a pena ter a experiência de “jogar” Everything, mas eu não recomendaria a compra caso você esteja a fim de um jogo propriamente dito ou de algo que vai entreter por horas e horas a fio.

Leia mais sobre Everything, David OReilly, Filosofia.






     
 

19/6/2017 - Perception deixa você com os poderes do Demolidor
13/6/2017 - Star Trek: Bridge Crew coloca o jogador no comando da Enterprise
12/6/2017 - Injustice 2 mistura luta com RPG
6/6/2017 - Randall é um jogo com o nome do seu protagonista
5/6/2017 - Sniper Ghost Warrior 3 se rende ao mundo aberto
2/6/2017 - Embers of Mirrim: luz, trevas e alavancas analógicas
29/5/2017 - Rime quer ser um novo Ico
26/5/2017 - Prey: quando a presa é você
23/5/2017 - Deliriant
23/5/2017 - 7 motivos para jogar Skylar & Plux: Adventure On Clover Island
22/5/2017 - Shadow Warrior 2 virou um RPG!
19/5/2017 - Outlast 2 é um retrocesso
16/5/2017 - The Surge é uma cópia de Dark Souls sem cuidado com o design
9/5/2017 - Guardians of the Galaxy da Telltale segue um caminho surpreendente
2/5/2017 - Full Throttle Remastered
1/5/2017 - Little Nightmares
21/4/2017 - Blackwood Crossing
17/4/2017 - Talent Not Included
11/4/2017 - Skykeepers
10/4/2017 - Yooka-Laylee
1234567... 20


· Busca Avançada

Login
Senha
Lembrar de mim:
Ainda não é cadastrado?
Então clica aqui!









Copyright © Delfos 2004 - .