Assine a feed desta seção!
Assine os comentários do site
Siga o Delfos no Twitter!

Título original: La La Land
País de origem: EUA
Ano: 2016
Gênero: Musical / Comédia
Duração: 128 minutos
Distribuidora: Paris
Direção: Damien Chazelle
Roteiro: Damien Chazelle
Elenco: Ryan Gosling, Emma Stone e J. K. Simmons.
Nota:



La La Land – Cantando Estações

Publicado em 17/1/2017 às 05:15


Praticamente todo musical começa com um número grande e elaborado, com o objetivo de impressionar o público logo de cara. La La Land – Cantando Estações não é exceção.

A câmera passa através de um viaduto congestionado, e você pode ouvir baixinho as músicas que estão tocando em cada veículo. Daí aparece uma mocinha cantando. Ela se empolga e sai do carro. Pronto, era o que faltava para todo mundo sair de seus carros cantando sobre a alegria de estar preso em um congestionamento ou algo do tipo.

O número de fato é impressionante, contando com dúzias de dançarinos. O que mais impressiona, no entanto, é que é tudo um único plano-sequência. A câmera se mexe de um lado para o outro, voa, filma de cima, de baixo, de dentro dos carros. Cara, se você acha os clipes do Ok Go maiores legais (eu também acho) espera até ver a abertura de La La Land.

E sabe o que é mais legal? Não é apenas um gimmick. Embora o filme não seja todo um único plano-sequência, é uma sequência de planos-sequências. Especialmente na primeira metade, todas as cenas são longas e com pouquíssimos cortes.

A filmagem é tão legal que você acaba nem percebendo tanto que as músicas em si não são lá tão inspiradas. O filme conta a história da relação de um pianista de jazz (Ryan Gosling) com uma atriz (Emma Stone), mas embora o cara seja um apaixonado pelo estilo e boa parte das conversas sejam sobre este gênero musical, as músicas em si são popzinhos bem açucarados e leves. Não ajuda o fato de que nenhum dos dois protagonistas tem assim um vozeirão marcante. Mas por outro lado, cara, como os clipes dos números musicais são legais.

Uma frase que define bem como eu estava me sentindo durante a projeção é que estava gostando mais de La La Land como filme do que como um musical. A direção é simplesmente estilosa demais, os personagens são simpáticos e as piadas são muito boas.

É bom que ele tenha essas características, pois na segunda metade ele parece se esquecer que começou como um musical. E, santa heresia, ele praticamente abandona os plano-sequências que deixaram o início tão especial.

Os poucos momentos musicais a partir dessa virada não são exatamente números, mas momentos em que os personagens em si estão tocando, o que é bem diferente. São também as músicas mais legais do longa (não por acaso, aí sim são canções de jazz), mas é uma pena que a direção tenha abandonado o estilo do início por algo tão mais lugar-comum.

O filme continua legal, no entanto, graças ao seu ótimo timing cômico e aos personagens bacanas. Não dá para negar que causa estranhamento uma mudança estilística e de gênero no meio da coisa toda, mas nós podemos apenas especular sobre o que aconteceu. Será que a equipe se cansou de repetir cada uma das longas cenas toda vez que algo que não deveria aparecer aparecesse? Faria sentido se a gente não soubesse que dificilmente filmes são filmados em ordem cronológica.

A história é bem lugar comum, se apoiando totalmente no humor e no carisma dos protagonistas. Curiosamente, a Emma Stone está bem diferente. Eu diria até que menos bonita. Claro que, mesmo ela menos bonita ainda é bonita pra caramba.

O roteiro tem alguns erros um tanto crassos, e chega até a repeti-los algumas vezes. Por exemplo, mais de uma vez um dos personagens precisa estar em dois lugares ao mesmo tempo, e daí acaba furando com sua contraparte sem dar nenhuma satisfação. O filme se passa no presente, pois existem celulares e coisas do tipo, o que torna incompreensível alguém deixar o outro esperando na porta do cinema sem sequer uma ligação.

Este é um conflito comum em filmes que mostram os personagens equilibrando vida amorosa e profissional, mas a forma como foi utilizado aqui demonstra uma falta de cuidado que não se encaixa na caprichosa produção.

No entanto, devo dizer que saí do cinema bem satisfeito. Eu não esperava gostar tanto de La La Land como gostei. A parte musical é estilosa, embora as músicas não sejam tão legais, e a parte comédia é engraçada e bonitinha, ainda que não tão estilosa. São quase dois filmes em um, mas se você é daqueles sujeitos estranhos como eu que percebe quando a câmera corta (ou neste caso, não corta), vai sem dúvida se divertir bastante.

Leia mais sobre Damien Chazelle, Ryan Gosling, Emma Stone, Paris, Musical, Comédia.




 

28/6/2017 - Meu Malvado Favorito 3
22/6/2017 - O Círculo parece uma versão para cinema de Watch Dogs
21/6/2017 - Bruxarias
21/6/2017 - Meus 15 Anos
20/6/2017 - Ao Cair da Noite mistura Walking Dead com The Last of Us
15/6/2017 - Baywatch: S.O.S. Malibu
14/6/2017 - Tudo e Todas as Coisas
14/6/2017 - Colossal
13/6/2017 - Sepultura Endurance
9/6/2017 - A Múmia é um excelente começo para o Dark Universe
7/6/2017 - Neve Negra
1/6/2017 - Inseparáveis
31/5/2017 - Mulher-Maravilha
30/5/2017 - Z - A Cidade Perdida não tem nada a ver com zumbis!
24/5/2017 - Punhos de Sangue conta a história do Rocky de verdade
18/5/2017 - Um Homem de Família
18/5/2017 - O Rastro
17/5/2017 - Rei Arthur: A Lenda da Espada
16/5/2017 - Corra!
11/5/2017 - Uma Dama de Óculos Escuros com uma Arma no Carro
1234567... 78


· Busca Avançada

Login
Senha
Lembrar de mim:
Ainda não é cadastrado?
Então clica aqui!









Copyright © Delfos 2004 - .