Bubsy está de volta. Quem? Bubsy, não lembra dele? Ele estreou quatro jogos entre 1993 e 1996, sendo que seus dois primeiros e mais relevantes saíram para o Super Nes e o Mega Drive. A verdade é que poucos se lembram dele, mesmo se considerarmos apenas quem jogava videogame nos anos 90.

Bubsy: The Woolies Strike Back, DelfosSeus jogos ficaram marcados pela quantidade de vozes em uma época em que videogames falarem era digno de nota. Desde 1996, quando saiu Bubsy 3D: Furrbitten Planet para o Playstation, o gato falante ficou praticamente esquecido. Até agora, pois a Accolade resolveu contratar a Black Forest Games para trazê-lo de volta aos holofotes.

O resultado é Bubsy: The Woolies Strike Back, um plataforma em 2.5D que já ganha pontos comigo simplesmente por não ser pixelado.

A primeira impressão não é muito boa, no entanto. Apesar de ser em 2.5D, o visual é um tanto cru. Simplesmente falta polimento, especialmente nos personagens. Felizmente, os cenários têm cores tão vivas e alegres que é difícil chamar o jogo de feio.

Bubsy: The Woolies Strike Back, Delfos
Cores em abundância!

FAZ TUDO QUE UM GATO FAZ

Bubsy usa três botões. Um para pular, outro para planar e outro para atacar. Seu ataque basicamente é um pulo para frente, que normalmente faz com que você pule sobre o inimigo que quer atacar. Ele funciona bem melhor como um pulo longo ou para quebrar as muitas pedras que escondem suculentos novelos de lã.

Bubsy: The Woolies Strike Back, Delfos
Alguns até formam setas dizendo para onde ir.

Pois é, como em todo plataforma que se preze, Bubsy vai passar boa parte do seu tempo coletando coisinhas, no caso, novelos. Há literalmente centenas em cada fase, além de outros mimos. O outro mais comum são camisetas. A primeira que você pega dá um escudo. Uma vez protegido, as seguintes dão vidas. Você começa cada fase com nove vidas, mas não raro vai ficar com mais de 20.

Ao contrário da maioria dos plataformas modernos, The Woolies Strike Back não é especialmente difícil. Talvez jogadores com menos experiência possam sofrer nas fases mais avançadas, mas eu perdi todas as minhas vidas uma única vez, na última delas. Há checkpoints a rodo (às vezes é possível ver mais de um ao mesmo tempo) e os colecionáveis se mantém coletados quando você morre.

Considero isso bom. Ao invés de ser um exercício de frustração, o jogo foca no que todo bom representante do gênero é: um playground para você pular, explorar e se divertir. E ainda que não traga absolutamente nada de novo, é bem sucedido como uma diversão descompromissada.

TAGARELA

Bubsy: The Woolies Strike Back, Delfos
Vai dizer que você nunca matou alguém pulando na cabeça dele?

Bubsy mantém a tradição de falar bastante. Inclusive, você pode escolher o nível de sua verbosidade no menu de opções. Fatalmente, elas começam a se repetir depois de um tempo, então sugiro que você as mantenha num nível aceitável.

Meu único problema mais grave com a construção do jogo é que, durante o estágio, não dá para saber quantas camisetas você pegou. Isso seria útil, uma vez que o jogo incentiva – e dá troféus – para quem pegar todas.

O jogo é bem curto. São apenas três mundos, com três ou quatro fases em cada um. Cada mundo culmina numa batalha com um chefe, e todas seguem o mesmo esquema, de desafiar o jogador a sobreviver até abrir a brecha para o ataque.

Bubsy: The Woolies Strike Back, Delfos
Chegou o disco voador!

BUBSY

Bubsy: The Woolies Strike Back não é um plataforma memorável, mas entretém o suficiente durante as duas horas e pouco que dura. Está longe da realeza do gênero, não espere um Sonic, Mario ou Rayman LegendsBubsy, hoje, é tão genérico quanto sempre foi. Mas isso não é assim tão ruim se você, como eu, for um grande fã de plataformas 2D.

REVER GERAL
Nota:
PONTUAÇÃO GERAL

Vire assinante do Delfos!

Temos planos a partir de R$1,00 mensal e você pode ganhar um monte de coisa legal. Mais importante, você ajuda a gente a tornar o DELFOS cada vez maior e melhor.


Clique aqui e acesso a nossa ágina no Padrim


Se você gosta do nosso conteúdo, também pode ajudar sem colocar a mão no bolso compartilhando este post nas suas redes sociais através dos botões abaixo.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorMesmo na Segunda Guerra, Call of Duty: WWII ainda é contracultura
Próximo artigoAxes Connection: um metalzão que homenageia os clássicos
Carlos Eduardo Corrales
Editor-chefe e editor de games. Fundou o DELFOS em 2004 e habita mais frequentemente as seções de cinema, games e música. Trabalha com a palavra escrita e com fotografia. Já teve seus artigos publicados em veículos como o Kotaku Brasil e a Mundo Estranho Games. Formado em jornalismo (PUC-SP) e publicidade (ESPM).
  • Pablo Olivera

    Joguei muito no mega drive.