Toda vez que eu vejo o nome Capitão Cueca, lembro imediatamente do Homem-Cueca, o super-herói “das quebradas” criado pelo ex-Sobrinho do Ataíde Felipe Xavier. Obviamente uma coisa não tem nada a ver com a outra e o tal Capitão Cueca é um produto gringo, uma série de livros infantis criada por Dav Pilkey.

Que, veja só que coincidência, acabou de virar um filme de animação que chega aos nossos cinemas esta semana. E não é que eu me surpreendi? As Aventuras do Capitão Cueca: O Filme é maior legal.

George e Harold são dois meninos que adoram se divertir e fazer pegadinhas para aliviar o clima pesado da escola onde estudam. Isso porque o diretor do lugar, o Sr. Krupp, é super malvado e parece ser o inimigo número um da diversão. Os dois também criam o seu próprio gibi, estrelado pelo Capitão Cueca. E só a explicação para o bizarro visual do herói, trajando apenas uma cuequinha branca, já é ótimo. Afinal, se a maioria dos heróis parece usar a cueca por cima, o deles realmente usa.

Enfim, um dia os dois aprontam de novo e são mandados para a diretoria. E não é que eles conseguem hipnotizar o Sr. Krupp para fazê-lo acreditar que ele é o Capitão Cueca? Claro que, ao se portar como o exagerado super-herói, ele vai causar altas confusões. Mas até que isso pode ser útil quando um super-vilão de verdade aparecer na escola.

O mais legal da animação é o tipo de humor que ela usa. Ela me lembrou bastante uma versão infantil do Scrubs. Lembra que a maioria das piadas da série era visual, traduzindo em imagens os devaneios e fantasias do JD? Pois é a mesma coisa que ocorre aqui, o que faz ainda mais sentido, pois se tratam de crianças pequenas e criativas.

Delfos, As Aventuras do Capitão Cueca: O Filme, CartazE as piadas são muito boas, indo da metalinguagem ao nonsense, é bem o tipo de humor que apreciamos no DELFOS. Tipo, tem uma sequência em que os meninos imaginam como será a vida deles caso eles passem a estudar em turmas separadas e a cena inteira dessa fantasia é encenada com fantoches de meia just because.

AGORA EU VOU AOS CÉUS COMO UM AVESTRUZ

Infelizmente, há também uma grande quantidade de humor de banheiro, principalmente ligado ao vilão. Não chega a ser tão de mau gosto quanto nas comédias estadunidenses mais adultas. E dá até para perdoar justamente porque envolve crianças pequenas, que acham qualquer coisa engraçada (há até uma piada justamente com esse fato). Mas há coisas muito melhores e mais sofisticadas dentro do mesmo filme, então acaba desbalanceado nesse sentido.

Visualmente, ele também tinha de ser caprichado e corresponde bem. Gostei do visual dos personagens e do design geral, com as crianças cabeçudas, parecendo uns bonequinhos meio playmobil.

E caramba, até o “Weird Al” Yankovic fez a música-tema do filme, que toca durante os créditos finais. Mais um bom sinal de que o humor da película segue pelos trilhos certos, embora haja os escorregões dos quais já falei.

As Aventuras do Capitão Cueca: O Filme é o típico caso de coisa pela qual eu não dava nada e acabei gostando bastante. É uma excelente porta de entrada para introduzir os pequenos no tipo de humor nerd e criativo que tanto gostamos. Se você tem uma criança em casa, pode levar ao cinema sem medo.

REVER GERAL
Nota
PONTUAÇÃO GERAL

Vire assinante do Delfos!

Temos planos a partir de R$1,00 mensal e você pode ganhar um monte de coisa legal. Mais importante, você ajuda a gente a tornar o DELFOS cada vez maior e melhor.


Clique aqui e acesso a nossa ágina no Padrim


Se você gosta do nosso conteúdo, também pode ajudar sem colocar a mão no bolso compartilhando este post nas suas redes sociais através dos botões abaixo.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorAssista ao final de Porque Sim
Próximo artigoA Adolescência na Ficção
Carlos Cyrino
Formado em cinema (FAAP) e jornalismo (PUC-SP), também é escritor com um romance publicado (Espaços Desabitados, 2010) e muitos outros na gaveta esperando pela luz do dia. Além disso, trabalha com audiovisual. Adora filmes, HQs, livros e rock da vertente mais alternativa. Está no DELFOS desde 2005.